Isolamento social Credito imagem: Unsplash

9 coisas para evitar na quarentena

4 minuto(s) de leitura

Este artigo é um compilado que meu psicológo Saulo Ferreira Cruz desenvolveu. O conteúdo foi autorizado para ser divulgado.

O COVID-19, trouxe uma nova realidade para a vida cotidiana muitas pessoas. Diversos profissionais perdendo seus empregos devido a uma pandemia sem precedentes que se alastrou no mundo de forma muito rápida e silenciosa.

Somos extremamente sociais e necessitamos de interagir e exprimir desejos e vontades. Muitos têm entrado em colapso com um quê de tédio. Esse fator se agrava ainda mais em pessoas que possuem quadros de ansiedade, síndrome de pânico e depressão.

Nas redes sociais, em especial no Instagram é nítido como as pessoas estão levando o isolamento social. A quantidade absurda de lives e pessoas querendo interagir é assustador.

Tempos modernos, problemas novos

Há um grande mal que nos circula a todo momento: o bombardeamento de informações a todo momento. Nosso sistema nervoso entra quase em um colapso devido à quantidade de informação que não foi processada.

Existem estudos que comprovam que não somos multi tarefas, alguns afirmam que são.

Em conversa com meu psicólogo em uma de nossas sessões, me passou algumas dicas que por mais engraçado que possa parecer eu já fazia sem saber. Essas dicas são para nossa saúde emocional, o bem mais precioso que temos é nossa saúde e não nossas habilidades.

Espero que essas dicas ajudem de alguma forma, se contribuiu, compartilhe com outras pessoas.

Dica 1 — evite o excesso de informações desnecessárias

Como dito, anteriormente, pelo fato de consumirmos muita informação sem processá-las, pode ocorrer excesso de informações que gera ansiedade. Uma dica interessante é assistir noticiários, apenas uma vez por dia de preferência de manhã, onde já temos um bom resumo da semana ou do dia anterior.

O consumo de informação e o excesso angustiante, geram um estado mental de constante alerta, prejudicando o relaxamento e aumento do índice de cortisol em nosso organismo elevando o nível de stress.

Dica 2 — evite pensamentos vitimistas

Um dos fatos sobre a vitimização é que distorce a realidade, estar isolado não é motivo de punição e sim um ato de preservação nosso e dos outros. Devemos ter otimismo que em breve isso irá findar.

Dica 3 — evite solidão como percepção de abandono

Solidão talvez seja um dos sentimentos mais pertubadores que um ser humano pode sentir, porém, sentir solidão nesse período de isolamento devido a pandemia é um fato.

Uma das coisas mais legais da tecnologia é poder conectar pessoas distantes no nosso dia a dia. Faça chamadas em vídeo com as pessoas que você ama. Pegue aquele livro parado há muito tempo na estante, porque não pegar no instrumento musical empoeirado no canto do seu quarto?

Jogue online, de preferência um Ragnarok!

Devemos ter otimismo que em breve isso irá findar.

Dica 4 — evite pessimismo como um padrão de pensamento

Pessoas pessismistas tendem a entrar em uma espécie de looping, isso impede que percebam novos cenários e possibilidades. Com isso, nosso eu interior não corresponde de um modo brando e nosso comportamento pode se tornar destrutivo, para nós e para os outros.

Dica 5 — evite não fazer nada

A ociosidade e inativadade por definição geram desânimo. O ócio é benéfico quanto é criativo, caso não seja, nos leva a um estado de letargia existencial. Procure atividades para ocupar a mente, como atividades fisícas, manuais e passatempos. Devemos encontrar meios para ocupar nossa mente com coisas produtivas.

Dica 6 — evite uma agenda sem compromisso

Essa dica tem muito a ver com um post que Beto Muniz fez no seu blog e recomendei na lista de links da semana 4. Mantenha uma rotina diária organizada, isso irá contribuir para a realizacão de propósitos.

Tenha tempo para pausas, horário para se alimentar e ficar offline. Interaja com outras pessoas, descanse!

Dica 7 — evite viver numa perspectiva individualista

Considere as regras para um bom convívio coletivo.

A realidade de muitos é dividir o espaço de quarentena com familiares. Nossa individualidade é importante, mas o coletivo não pode ser ignorado. Devemos praticar a empatia e se possível firmar acordos e regras de convívio, a fim de tornar esse momento mais agradável.

Dica 8 — evite invisibilizar as “minorias”

Em tempos modernos muito tem se falado sobre diversidade e minorias. Essa é uma grande oportunidade de considerar a realidade de diversidade do outro.

Dica 9 — evite observar uma única perspectiva

Pratique a empatia com pessoas no grupo de risco, principalmente idosos, portadores de deficências, pessoas com baixa imunidade, doenças crônicas, devem ser ouvidos e priorizados, pois possuem necessidades peculiares.

Converse, escute, tente compreender e estabelecer rotina solidária inclusiva é importante para que as limitações impostas pela pandemia possam ser assimiladas e seguidas. Adapte as restrições diminuindo a sensação de perda e impedimento.

Infográfico demonstrando como proteger sua saúde mental
Crédito da imagem: Vita Alere

Conclusão

Tente seguir essas dicas e cuide da sua saúde mental e dos seus. Fique em casa e em breve poderemos nos abraçar e cuidar daqueles que nós amamos.

Assine o newsletter

Um e-mail por mês com o resumo das postagens do blog, sem spam e chatices de e-mails indesejados.

Deixe um comentário